Resenha- O homem que odiava o mundo- Sara Muniz


 

O livro conta a história de Henrique, um jovem brasileiro e estudante de filosofia que sofre consecutivas desilusões amorosas. O personagem sempre possuiu certa antipatia e ódio pelo mundo e o sistema, após as desilusões esse sentimento se intensifica. No entanto, o personagem encontra uma maneira de questionar e ao mesmo tempo aceitar a vida pra que esta não se torne tão frustrante e intolerável. Filosófico, cômico e realista.
Classificação:
 


Ficha Técnica
Título: O Homem que odiava o mundo
Autora: Sara Muniz
Páginas: 266
Editora: Multifoco
Data de Lançamento: 11/11/2014
ISBN: 978-85-8273
No Skoob
Comprar
Página no Facebook 
 


Notas
Capa: 10/10
Conteúdo: 10/10
Diagramação: 10/10
Conceito Geral: 100/100

 


O livro "O Homem que odiava o mundo" é o primeiro livro da jovem escritora Sara Muniz e conta a história de um jovem que apesar de toda a sua inteligência sofre bastante pelos inconstantes altos e baixos da vida. Nada no mundo é como se planeja inicialmente e principalmente como se espera. Lidar com as frustrações e com as expectativas no decorrer da existência é uma das grandes lições que Henrique, o personagem central do livro, nos traz. Dentre muitas outras.

Em entrevista, a autora disse que sua principal inspiração foi uma discussão que teve com o namorado: "Eu pensei no título e por um momento cogitei ‘esse é um tipo de livro que eu adoraria ler! ’, criei então os personagens e imaginei um jovem bonito que tem problemas, e ele não tem problemas financeiros, ele é carente e dependente de atenção. A inspiração principal para o livro foi uma discussão que eu tive com o meu namorado uma vez, quando ele estava se sentindo estressado de tanto trabalhar. Ele me disse que o mundo, definitivamente, é só isso: trabalhar. Você vive para trabalhar para dar a alguém (ninguém sabe quem) dinheiro para alguma coisa ser feita na sociedade ou para ser simplesmente roubado. Eu criei então, um personagem que está cansado disso e que mesmo assim não pode fazer nada a não ser viver nessa sociedade capitalista.".

O jovem Henrique é bonito, inteligente, dedicado, mas desde o princípio possui certa antipatia pelo mundo, o que até o torna comicamente sarcástico. Suas indagações e palavras são questionadoras, afinal de contas estuda filosofia e por isso essa veia indagadora é muito forte no personagem, está sempre com uma resposta afiada nas línguas, mas o que de forma nenhuma é um problema, pois o leitor poderá soltar muitas gargalhadas com esse seu jeito humor negro, que arrisco dizer, é um humor mais de alto nível, inteligente, um pouco Woody Allen.

No entanto, todas essas maravilhosas qualidades de Henrique caem por terra quando ele sofre sucessivas desilusões amorosas. É inevitável, a gente sofre junto, se indigna junto por sua má sorte no amor e até mesmo tentamos lhe aconselhar: "Henrique não fique assim", "não faça isso, não crie tantas expectativas...". Identificamo-nos com a dor de nosso herói, seja por um motivo diferente do dele ou não... Mas a gente sente junto, porque a gente sente de novo.

A cada desilusão amorosa de Henrique o seu ódio pelo mundo aumentava. E pela perspectiva do ódio tudo na vida se torna mais denso e intolerável. Compreender o sistema e a forma como diariamente somos impelidos a realizar e muitas vezes trabalhar em coisas que geralmente não nos satisfaz nos massacra cotidianamente e nos faz correr pura e simplesmente atrás de dinheiro que é a única coisa que nos dará uma suposta liberdade. Eis o que podemos concluir juntamente com Henrique, cada um em sua realidade.

Perguntada sobre o que quis suscitar nos leitores a autora responde: "Inúmeras coisas... Sentimentalmente eu queria provocar risadas, raiva, tristeza e felicidade com a conclusão. Mas o meu livro tem uma espécie de lição de vida nas entrelinhas e algumas pessoas que já leram comentaram isso comigo, porque basicamente tudo o que pode acontecer de ruim na vida de uma pessoa acontece na vida de Henrique. Ele experimenta todos os tipos de sentimento.".

Mas a amizade e a fé que os amigos depositam nele, o salva, de uma depressão que poderia não ter fim, e que muitas vezes não tem mesmo... Mas a presença dos amigos pode tornar o dia a dia muito mais fácil, e assim como Henrique, podemos aprender que podemos viver sem brigar com a vida e com o mundo, mesmo que não concordemos com tudo o que há nele.

Sara Muniz diz ter aprendido muito com o personagem principal: "Henrique experimentou todo tipo de sentimento... O da amizade, o da saudade, o da raiva, o do amor, o da perda, o de abandono... Posso dizer que ao escrever aprendi como seria cada sentimento desses (principalmente os negativos). Aprendi que as pessoas podem e devem perdoar para ter a chance de ser feliz e que nada é impossível quando se está determinado.".

Sendo assim, concluo que o livro da autora Sara Muniz é uma obra que não só conta uma história fictícia, mas é a nossa história, porque como o próprio Henrique narra: "Quem já não odiou o mundo?". E igualmente a ele, dia a dia temos que rejeitar e aceitar esse sistema em que vivemos... Rejeitar suas regras, mas aceitá-lo para não tornar nossa existência desprezível. Um jogo de amor e ódio com o mundo. E onde aprendemos a viver, lidar e aprender com todos os sentimentos que nos rodeiam, sejam bons ou ruins.

Aprendam também com essa emocionante história!
 
Design e diagramação
Em forma de E-book, o livro tem uma diagramação simples que juntamente com a linguagem jovial e dinâmica da autora proporcionam uma leitura leve e prazerosa. Não possui imagens, o que não é um impedimento para que o livro seja divertido e dinâmico.


 
Sobre o autor

Sara Muniz reside em São José dos Pinhais, PR. Nascida em 1998. Escreve para o blog Interesses Sutis. Escreveu a Fanfic original "As missões de um cavaleiro" de fantasia. Seu sonho é se formar em Letras. E adora a banda Three Days Grace.
 
Postagem feita por:
 


Titta. Formada em Tradutor e Intérprete em Espanhol. Reviso, traduzo e produzo textos na Língua Portuguesa e Espanhola, tanto Textos Técnicos e Comerciais como Jornalísticos, Publicitários e Literários. 
Com noções de Jornalismo, sendo Estudante de Teatro, trabalhei em editora como revisora de texto e coordenadora editorial e dei Aulas Particulares de Espanhol, no que se referir à Comunicação Escrita e Verbal, Arte e Criatividade, estarei mais que habilitada a fazer. Como ler é minha profissão e meu maior prazer e por estar muito engajada na linguagem artística contribuir como resenhista de obras literárias será mais que um prazer.


Encontre  Monólogo de Julieta  também no:

16 comentários:

  1. Eu concordo com o Henrique. No fim parece que estamos apenas perdendo nosso tempo fazendo coisas que não queremos pra agradar pessoas que não gostamos. Correndo atrás de algo que não devíamos precisar. Mas coma população humana, e com a própria mãe natureza, a vida existe dentro de sistemas, é inevitável. Pra se ter ordem e um funcionamento, esses sistemas são necessários. O problema é que ao mesmo tempo que nos dão um sentido de viver, eles podem fazer o contrário. Eles nos prendem e nos limitam.
    Vontade pra mudar não falta, o problema é meios para fazê-lo :(
    Achei o tema do livro super interessante, e mais ainda por ser uma autora nacional.
    Beijos, Amanda.
    Expresso de Nárnia

    ResponderExcluir
  2. Tenho que dizer que fiquei fascinada por essa resenha, a premissa desse livro é muito boa, penso que com certeza seria um livro no qual apostaria uma leitura que pudesse me agradar.

    aguardandoocamaleao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Paloma!
    Não conhecia o livro não, a capa parece internacional!!!!
    Premissa muito boa, quero ler!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Parece ser bem legal e cheio que coisas boas para aprender!! Só achei a capa meio estranha...

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia essa obra, mas pela resenha parece ser fantástica! Fiquei curioso para ler ^^

    Até mais!
    Math // de-livro-em-livro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Gostei bastante da resenha. O nome é algo que chama a atenção logo de cara. Mas a sinopse não fica atras. Me interessei bastante. Achei bem legal a forma como surgiu a ideia do livro, de uma discussão que ela teve com o namorado. Vou anotar aqui para futuras compras.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oi Paloma! Tudo bem?

    Não tinha ouvido falar sobre esse livro, mas parece bom. E a começar por uma crítica beeem positiva, o mesmo já entra pra minha lista :3

    Parabéns pela resenha! Ficou ótima!

    Abs,
    htp://leiturasilenciosaoficial.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá, gostei muito de sua opinião sobre o livro.
    Confesso que a capa não me chamou muito atenção, mas o título sim, já nos deixa curioso para saber o motivo para o tal homem odiar o mundo. Me parece o tipo de livro que nos faz questionar e refletir sobre muitas coisas.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Nossa.. que legal! E eu aqui achando que o livro era internacional até. É pura verdade isso de a vida ser só trabalho, discuti muito também com um amigo sobre isso porque ele reclamava que pra tudo era necessário trabalhar, mas vamos fazer o que né... kk gostei mesmo, deve ter várias frases de reflexão e principalmente aprendizado nesse livro!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem post novo no blog sobre Readgeek, vem descobrir o que é!

    ResponderExcluir
  10. Oi Paloma, oi Titta!
    Primeiramente queria parabenizar a Titta pela resenha maravilhosamente escrita!
    Nunca tinha ouvido falar desse livro! E fiquei muito surpresa em saber que a autora tem só 17 anos! Não que eu tenha algum problema com autores jovens, é só que eu achei a história tão madura que imaginei alguém mais velho por trás dela. Nem preciso dizer que fiquei super curiosa para ler o livro, certo? Mesmo eu não sendo alguém super questionador, mas me interessei muito!

    Um abraço,
    http://winterbird.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá! O livro parece ser ótimo, fiquei curiosíssima com a sinopse e sua resenha. Acho que vou ler! Beijos.

    http://livro-apaixonado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá Titta, como vai?

    Que linda sua resenha, já ouvi falarem do livro e a autora também é muito bem falada. Já tive preguiça de ler ebook, mas agora ele é bem mais viável para mim rs.
    Muito bacana quando vemos que o autor na verdade usou de inspiração algo tão próximo e o namorado tinha razão hahaha.
    Uma reviravolta de sentimentos, mas me parece um ótimo livro.
    Quem nunca odiou o mundo? Eu já! E como....

    Beijos!
    De tudo um pouco

    ResponderExcluir
  13. Oi! ^^
    Nossa, já me identifiquei com o personagem sem nem mesmo ter lido o livro!
    Como diz na resenha "quem nunca odiou o mundo?"
    Esse vai para minha lista de leituras!

    Beijussss;
    https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Não conhecia a autora, e lendo a resenha o livro parece bem legal, fiquei curiosa para ler, boa dica!
    Beijos!
    islary34.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia o livro e nem a autora e achei interessante o tema, porque todo mundo meio que já odiou o mundo vez ou outra hehe
    Mas confesso que fiquei um pouco com medo de achar o personagem chato, porque sempre tenho problemas com personagens que reclamam demais =/
    Bjo

    ResponderExcluir
  16. Oi, Titta!
    Que bacana, quem nunca ficou com raiva do mundo inteiro depois de um pé na bunda ou algo do tipo?
    Parece ser bem interessante o livro. Todo mundo pode se identificar pelo menos um pouquinho.
    O título realmente me chamou a atenção e a sua resenha.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.